domingo, 13 de dezembro de 2009

Amigo-oculto

Sempre no final do ano, seja no curso, na vizinhança ou no trabalho, tal atividade não pode faltar. Além do amigo-oculto (sim, amigo-oculto leva hífen), também existe o tal do “elefante branco”, que funciona com um mecanismo bem parecido do primeiro. Há amigos-ocultos ora com chocolates (ai de quem é diabético ou está de dieta – a maioria das mulheres), ora com presentes com valores exorbitantes. Há pessoas que ora amam, ora odeiam – faço questão de me incluir no último grupo.

Eu odeio amigos-ocultos porque SEMPRE saio perdendo. Fico preocupada e ansiosa para comprar algo que agrade o meu sorteado, e no final das contas acabo ganhando uma bela de uma porcaria. E quando no amigo-oculto você tem que dar pistas sobre quem você tirou? Geralmente alguns usam isso como uma oportunidade de caçoar dos outros e de querer aparecer. Péssimo. Nos amigos-ocultos em que já participei, sempre rolavam farpas e a brincadeira não acabava bem. O pior mesmo é quando é um amigo-oculto em que os presentes são chocolates: você fica sempre paranoica de como os chocolates foram conservados, onde foram guardados, e coisas do gênero. Eu sempre acho que alguém sentou em cima, paranoia pouca é bobagem.

Uma versão mais light do amigo-oculto é o “elefante branco”, que se resume em cada um dos participantes comprarem um presente e, um pouco antes da troca, acontece um sorteio e começa quem tirou o número menor. E, por sua vez, em ordem crescente, continua quem pegou o número menor dentre os participantes que faltam. A pessoa sorteada deve escolher um dos presentes à disposição (é importante que os presentes estejam bem embalados, para ninguém saber o que há dentro) e, caso não goste, pode trocar com outra pessoa que já tenha escolhido o seu. Todos os participantes devem mostrar o que ganharam. Quem tira o número maior é quem sai ganhando, pois pode trocar seu presente, caso não goste – e é o que frequentemente acontece, já que é a pessoa a ficar com o último presente –, com qualquer pessoa. A vantagem desse tipo de jogo é que não tem aquelas introduçõezinhas imbecis que descrevem quem é o seu amigo-oculto, você tem o livre arbítrio para escolher o pacote que quiser, e conta apenas com a sorte no quesito de ser o primeiro ou o último a ser sorteado.

Bem, eu não quis participar de amigo-oculto nenhum – mas talvez participasse de um elefante branco, coisa que só descobri da existência semana passada -, uma coisa quase que intrínseca em escritórios do Brasil nesta data do ano, mas desejo a todos que vão participar muita boa sorte. Feliz Natal, feliz Hanukkah, feliz ano novo, e muitos presentes! Estou no aguardo dos meus.

5 comentários:

Silvio Koerich disse...

Amigo oculto é até legal mas é infernal na hora de descrever, odeio isso. Muita merda.

Agora achei engraçado as trocas de farpas rssss

Silvio Koerich disse...

Aliás qual dos 2 blogs é teu oficial?

Maya . disse...

Oi Silvio... é esse! O outro está parado, sem previsão de volta. Eu realmente estava planejando trabalhar a bordo, e virei "sailor", mas ao chegar lá, vi que era trabalho escravo e pulei fora... entrei de gaiata "legal" rs. Pensei em denunciar e tal, mas fiquei com preguiça e preferi não postar mais nada.

Publicidade Esportiva disse...

Poxa esse ano eu to participando de dois amigos ocultos, um na faculdade e um da minha familia que todo ano a gente faz.

Particularmente eu sempre tive sorte, dou presentes bons e recebo tbm. A gente mantém uma média do valor do presente pra não ficar tão avacaiado. Tipo no mínimo 10 reais e no máximo 15, algo do tipo. Assim n tem como a pessoa dá presente ruim.

To seguindo o seu blog tbm.,..

Beijussssssss

Márcia disse...

Eu também odeio amigo secreto! Afffffffffffffffff! Muito bom o blog Maya! Depois vou ler o outro que você tinha! Adoro saber essas coisas de companhias de navio!